quinta-feira, 2 de julho de 2009

A mártir e a escritora



Há sessenta anos atrás, era lançado na França um livro chamado O segundo sexo. Na obra em questão era feita uma análise das condições da mulher propondo novas ideias para uma igualdade de direitos entre os sexos feminino e masculino. O nome da autora: Simone de Beauvoir, escritora-filósofa existencialista que ajudou, e muito, a repensar o papel da mulher na sociedade contemporânea, incitando movimentos feministas que trouxeram grandes ganhos ao revolucionarem o comportamento feminino atual.
Não poderia, o Mulheres que escrevem, deixar de homenagear o aniversário de uma importantíssima obra que discutiu e colaborou para que o mundo pensasse mais nas questões femininas. Lembrando que, é claro, ainda há muito a conquistar nesse campo. O exemplo mais atual é a morte de uma jovem chamada Neda Agha Soltan, que nas ruas do Teerã protestava contra a falta de liberdade imposta pelo governo( leia-se “pela religião”) às mulheres em seu país.
É importante frisar que o preconceito, o autoritarismo e a repressão contra a mulher ainda existem, em maior ou em menor grau. Dentro de alguns lares, em algumas culturas e em alguns países esses retrocessos chegam a níveis altíssimos de intolerância, o que faz do livro de Simone de Beauvoir continuar sendo, infelizmente, atualíssimo.