sábado, 2 de agosto de 2008

Abrindo o diário...




O filme recém-lançado nos cinemas, Nome Próprio, foi inspirado na primeira blogueira a ficar famosa no país, Clarah Averbuck, cujos livros, Máquina de Pinball e Vida de Gato serviram como base de criação do roteiro.
Tudo começou há 10 anos quando, antes de existirem blogs, Clarah publicava no site da Casa de cinema de Porto Alegre. Depois, virou colunista do fanzine CardosOnline. Quando este acabou, a gaúcha resolveu criar um blog , o brazileira!preta, que fez muito sucesso por ser pioneiro e por ter como tema central a intimidade da própria autora.
Imaginem a sensação deliciosa de ler tudo sobre a vida de outra pessoa, seus medos, frustrações, opiniões, pensamentos, mas na internet, pra todo mundo que quisesse ver. Não era mais necessário roubar aquela chavezinha para ter acesso ao conteúdo de um diário muito bem escondido, como costumavam fazer, antigamente, os irmãos ou pais para descobrirem os segredos da sua irmãzinha ou filhinha. Estava tudo ali, para quem quisesse ver. A chave, um endereço da web. O diário, o computador. E os curiosos não eram mais a parentela, e sim, qualquer um que não a conhecesse, mas que quisesse saber sobre sua vida.
A primeira vez que os brasileiros puderam conhecer essa nova forma de se expor foi com Clarah Averbuck e seus textos. Não é de admirar o número elevado de visitas diárias que o blog recebia. O brazileira!preta foi criado em 2002 e serviu , além da exposição pública da intimidade da autora, para publicar trechos do romance que estava escrevendo, o Máquina de Pinball , que deu origem ao referido filme em cartaz, dirigido por Murilo Salles. No ano seguinte veio o Das coisas esquecidas atrás da estante, que, ao contrário do primeiro, é uma coletânea de textos do blog. Em 2004 saiu Vida de gato, seu segundo romance.
Atualmente a escritora mantém o blog Adiós Lounge já que o outro foi desativado após um longo período de afastamento da autora. Além disso, está escrevendo quatro livros: o romance Toureando o Diabo; uma novela infanto-juvenil Eu Quero Ser Eu; um livro de crônicas chamado Cidade Grande no Escuro e um outro em parceria com Eva Uviedo, Nossa Senhora da Pequena Morte.
Haja fôlego!