Pular para o conteúdo principal

Abrindo o diário...




O filme recém-lançado nos cinemas, Nome Próprio, foi inspirado na primeira blogueira a ficar famosa no país, Clarah Averbuck, cujos livros, Máquina de Pinball e Vida de Gato serviram como base de criação do roteiro.
Tudo começou há 10 anos quando, antes de existirem blogs, Clarah publicava no site da Casa de cinema de Porto Alegre. Depois, virou colunista do fanzine CardosOnline. Quando este acabou, a gaúcha resolveu criar um blog , o brazileira!preta, que fez muito sucesso por ser pioneiro e por ter como tema central a intimidade da própria autora.
Imaginem a sensação deliciosa de ler tudo sobre a vida de outra pessoa, seus medos, frustrações, opiniões, pensamentos, mas na internet, pra todo mundo que quisesse ver. Não era mais necessário roubar aquela chavezinha para ter acesso ao conteúdo de um diário muito bem escondido, como costumavam fazer, antigamente, os irmãos ou pais para descobrirem os segredos da sua irmãzinha ou filhinha. Estava tudo ali, para quem quisesse ver. A chave, um endereço da web. O diário, o computador. E os curiosos não eram mais a parentela, e sim, qualquer um que não a conhecesse, mas que quisesse saber sobre sua vida.
A primeira vez que os brasileiros puderam conhecer essa nova forma de se expor foi com Clarah Averbuck e seus textos. Não é de admirar o número elevado de visitas diárias que o blog recebia. O brazileira!preta foi criado em 2002 e serviu , além da exposição pública da intimidade da autora, para publicar trechos do romance que estava escrevendo, o Máquina de Pinball , que deu origem ao referido filme em cartaz, dirigido por Murilo Salles. No ano seguinte veio o Das coisas esquecidas atrás da estante, que, ao contrário do primeiro, é uma coletânea de textos do blog. Em 2004 saiu Vida de gato, seu segundo romance.
Atualmente a escritora mantém o blog Adiós Lounge já que o outro foi desativado após um longo período de afastamento da autora. Além disso, está escrevendo quatro livros: o romance Toureando o Diabo; uma novela infanto-juvenil Eu Quero Ser Eu; um livro de crônicas chamado Cidade Grande no Escuro e um outro em parceria com Eva Uviedo, Nossa Senhora da Pequena Morte.
Haja fôlego!

Comentários

Danilo disse…
Particularmente não gosto do que ela escreve, mas acho muito fascinante o que aconteceu com ela a partir da net. Quero muito assitir ao filme. Já ví o trailer e ele parece serbem atual, principalmente, é claro, no que diz respeito ao mundo dos blogs.
Elton Rosa disse…
poxa! Nunca ouvir falar nessa mulher... deu vontade de assistir o filme... vou procurar... muito bom post
Dário Souza disse…
Nunca tinha ouvido falar dela,mas super pioneira a ideia dela.
Leosoul disse…
Um blog super interessante. Um verdadeiro olimpo da cultura.
sinto sua falta na academia blogueana de letras
um grande abraço
Léo
Alcione Torres disse…
Puxa! Essa é elétrica! rsrsrs

http://sarapateldecoruja.blogspot.com/
Janaaa! disse…
Ela é bem bacana.

:)
Jana Cambuí disse…
Ah, legal! Esse post foi uma grande novidade para mim, não conhecia a autora, muito menos sua obra. Valeu a dica, vou pesquisar.
Anna Fortuna disse…
olá raela, sou anna fortuna e achei interessante o tema do seu blog. sou atriz e humorista e me interesso pela causa feminina e feminista. tenho um blog de humor/ comentários diversos há 6 anos: embate de hoje: anna fortuna x mulher-cartum (minha personagem)www.annafortuna.com.br se desejar visitar-me, será um grande prazer. abraços e parabéns mais uma vez pelo blog.
Leosoul disse…
Olá sou Leonardo e conheci você do orkut de uma comunidade sobre blogs
add vc adorei o seu blog muito bem escrito.
Espero que possa passar por lá...
bjos
HBMS disse…
Caramba ! ! Ainda lembro do dia em que fui assistir o filme o-o
época de estréia, fim de tarde e eu ainda tinha criado uma expectativa enooorme por ter gostado bastante do trailler '^-^>... no fim o filme foi bom, interessante, meio apelativo, mas foi asfixiante.

Postagens mais visitadas deste blog

Mosé, a musa da vida

Filósofa, psicóloga e psicanalista por formação; escritora, professora, poeta ( ou poetisa) por extensão da brilhante carreira de pesquisadora da vida. Essa é Viviane Mosé, uma capixaba mil e uma utilidades quando o assunto é a existência.
Pensar o ser humano rendeu-lhe muito sucesso, uma vez que Viviane popularizou as questões filosóficas seja apresentando um quadro no Fantástico (Ser ou não Ser), ou dando aulas para atores, ou ainda, fazendo palestras em empresas e em instituições, além de ter escrito vários livros sobre esta ampla temática que é a Filosofia.
Sua biografia abarca, também, poesia. Mosé fez parte da turma do Chacal, no CEP 20.000, um sarau de sucesso que acontece no Rio de Janeiro, no Espaço Cultural Sérgio Porto. Antes e depois desta experiência, nasceram Toda Palavra (2008), Pensamento chão (2007), Desato, (2006), Receita para Lavar Palavra Suja (2004), Escritos (1990), Imagem Escrita (1999), 7 + 1, Francisco Alves (1997).
Já na filosofia e na psicanálise, seus e…

A arte de reescrever

Uma escritora livre. Assim se define Lya Luft, uma das mais influentes romancistas brasileiras,autora de vários best-sellers nacionais.
Formada em Letras, a gaúcha começou sua vida profissional como tradutora, ofício que ela diz amar realizar. Prestando um grande serviço à cultura literária brasileira, suas traduções, de ótima qualidade, contabilizam mais de cem obras atualmente.
Porém, foi como escritora que essa artesã da palavra ganhou maior notoriedade. Seus livros estão entre os mais vendidos do Brasil. E muitos foram traduzidos para mais de 15 países.
Começou sua carreira literária escrevendo poesias, depois foi para os contos, até que, após um processo de autodescoberta, resultante de um acidente quase fatal,resolveu enveredar pelos caminhos da ficção romanesca. Sua bibliografia é extensa: Canções de limiar, 1964;Flauta doce, 1972;Matéria do cotidiano, 1978;As parceiras, 1980;A asa esquerda do anjo, 1981;Reunião de família, 1982;O quarto fechado, 1984;Mulher no palco, …

Honorável Poetisa

Professora, diretora escolar, redatora, produtora cultural, jornalista-liberal, conferencista, tradutora e, enfim, poetisa (ou poeta, como preferir). Ufa! Todas estas atividades foram realizadas por uma mulher, na primeira metade do século XX. Acrescenta-se a esta lista o ofício de esposa e mãe. É, no mínimo, admirável e invejável tudo o que Cecília Meireles fez numa época em que a maioria das mulheres era criada para ser somente esposa e mãe.
Deixando o olhar biográfico e feminista de lado, Cecília Meireles é o primeiro nome feminino de grande importância para a poesia brasileira. Artista inserida no período modernista brasileiro, sua produção é um marco para a literatura brasileira, posto que foi uma das primeiras mulheres a se destacar pela produção lírica.
Seu trabalho no magistério foi de extrema importância para a sociedade. Fundou a primeira biblioteca infantil do país, lecionou literatura e cultura brasileira em universidades no exterior e fez conferências sobre a l…