Pular para o conteúdo principal

A arte de reescrever


Uma escritora livre. Assim se define Lya Luft, uma das mais influentes romancistas brasileiras,autora de vários best-sellers nacionais.
Formada em Letras, a gaúcha começou sua vida profissional como tradutora, ofício que ela diz amar realizar. Prestando um grande serviço à cultura literária brasileira, suas traduções, de ótima qualidade, contabilizam mais de cem obras atualmente.
Porém, foi como escritora que essa artesã da palavra ganhou maior notoriedade. Seus livros estão entre os mais vendidos do Brasil. E muitos foram traduzidos para mais de 15 países.
Começou sua carreira literária escrevendo poesias, depois foi para os contos, até que, após um processo de autodescoberta, resultante de um acidente quase fatal,resolveu enveredar pelos caminhos da ficção romanesca. Sua bibliografia é extensa: Canções de limiar, 1964;Flauta doce, 1972;Matéria do cotidiano, 1978;As parceiras, 1980;A asa esquerda do anjo, 1981;Reunião de família, 1982;O quarto fechado, 1984;Mulher no palco, 1984;Exílio, 1987;O lado fatal, 1989;O rio do meio, 1996;Secreta mirada,1997;O ponto cego, 1999;Histórias do tempo, 2000;Mar de dentro, 2000;Perdas e ganhos, 2003;Histórias de bruxa boa, 2004;Pensar é transgredir, 2004;Para não dizer adeus,2005;Em outras palavras, 2006;O silêncio dos amantes, 2008. Além da grandiosa produção literária e das traduções, escreve uma coluna semanal na revista Veja com o título de "Ponto de vista".
Dizem os especialistas em língua que traduzir uma obra é escrever outra obra, pois cada palavra só existe em significado para o seu próprio idioma. Quando passamos um texto de um idioma para outro, já mudamos o contexto daquele escrito e ele passa a ter outra relação de sentido para o seu leitor. Sendo assim, podemos considerar Lya uma escritora e uma reescritora e se traduzir é reescrever,a autora pode ser definida como uma grande e poderosa tradutora. Da vida e das palavras.

Comentários

LADY DARK ANGEL disse…
eu so tinha lido trechos do livro dela q eu encontrava por ai
entao resolvi um livro dela "perdas e ganhos",mas tipo tm la sua filosofia d vida,mas num gostei muito nao
Adilene Adratt disse…
A Lya tem um jeito bem particular de escrever, algumas vezes nostálgico, melancólico, mas ela consegue descrever muito bem as aflições que algumas vezes se desenvolvem na alma feminina. Nem sempre sendo uma leitura fácil, ela não é uma escritora de romances, mas de "entre-romances" eu diria...
A coluna da Veja é que não me atrai muito para a leitura...
Anônimo disse…
Oi! Cheguei aqui através de um link numa comunidade de escritoras do Orkut! Gostei da sua iniciativa de escrever sobre escritoras, parabéns!

Eu li um pouco de Lya Luft justamente porque li Virginia Woolf através da tradução dela. Fiquei curiosa e acabei comprando um livro de crônicas dela, é bom.

Um beijo!
Acho interessante suas crônicas na revista veja. Tem uma da revista de 8 de abril de 2009, que o nome é "A crise que estamos esquecendo", muito boa pois fala da agressão sofrida pelos professores qeu a cada dia que passa sofrem mais e mais ataques de estudantes que não tiveram uma educação baseada no respeito pelos próprios pais.

Parabéns pela postagem.

Verônica Elias
Ana Rodrigues disse…
Oi Raela! Custei mas cheguei! Muito bom o texto sobre Lya Luft. Dela gosto especialmente de Mar de Dentro, que não canso de reler. E, como tradutora, achei lindo o que é dito sobre o nosso trabalho. Bj grande. Ana.
Raela Migliesi disse…
Olá, pessoal. Obrigada pelos comentários. Fiquem à vontade para deixarem suas opiniões.
Estarei um pouquinho ausente durante esse final de ano por conta da correria e dos problemas típicos dessa época, mas retornarei com novos textos em breve.
Aguardem e não sumam, viu!
Abraços a todos.
Raela, seu blog é lindo!
Adorei tudo! A temática, os textos... Voltarei mais vezes!

Beijos e borboleteios
Valéria Hidd disse…
Gosto muito da forma como Lya Luft usa pra se comunicar.Fala sobre coisas corriqueiras inerentes na vida de cada uma de nós, mulheres. Estas que deixamos ser pequenas ou grandes, dependendo do estado de espírito em que nos encontramos. Li Pensar é Transgredir. E deixei de me incomodar com o arrastar do chinelo de meu marido por causa do livro. Muito interessante Silêncio dos Amantes!! Vale à pena ler! Meu livro de cabeceira é Perdas e Ganhos. Ja li Mar de Dentro duas vezes. Muito bom também!!!
Edson disse…
Realmente òtima escritora ja cheguei a ler um pedaço do livro Perdas e Ganhos, muito bom,parabéns pelo blog!!
Liz Dantas disse…
Fiquei muito feliz de encontrar este blog,pois sou completamente apaixonada por Lya Luft e suas obras.
Será muito bom,poder estar sempre por aqui
Jso disse…
fica a dica aí pra eu poder conhecer melhor a lya...
te mais
o brigada
Liz Dantas disse…
Eu a doro tudo que Lya Luft escreve,a bem da verdade,gosto muito de tres escritoras e por coincidências,as tres gauchas(Lya Luft, Martha Medeiros e Ligia Fagundes Teles
Beijos
Anna Oh! disse…
Já li 2 livros dela. A Sentinela eu não curti muito, mas Perdas e Ganhos em cativou imensamente =)

Postagens mais visitadas deste blog

Mosé, a musa da vida

Filósofa, psicóloga e psicanalista por formação; escritora, professora, poeta ( ou poetisa) por extensão da brilhante carreira de pesquisadora da vida. Essa é Viviane Mosé, uma capixaba mil e uma utilidades quando o assunto é a existência.
Pensar o ser humano rendeu-lhe muito sucesso, uma vez que Viviane popularizou as questões filosóficas seja apresentando um quadro no Fantástico (Ser ou não Ser), ou dando aulas para atores, ou ainda, fazendo palestras em empresas e em instituições, além de ter escrito vários livros sobre esta ampla temática que é a Filosofia.
Sua biografia abarca, também, poesia. Mosé fez parte da turma do Chacal, no CEP 20.000, um sarau de sucesso que acontece no Rio de Janeiro, no Espaço Cultural Sérgio Porto. Antes e depois desta experiência, nasceram Toda Palavra (2008), Pensamento chão (2007), Desato, (2006), Receita para Lavar Palavra Suja (2004), Escritos (1990), Imagem Escrita (1999), 7 + 1, Francisco Alves (1997).
Já na filosofia e na psicanálise, seus e…

Honorável Poetisa

Professora, diretora escolar, redatora, produtora cultural, jornalista-liberal, conferencista, tradutora e, enfim, poetisa (ou poeta, como preferir). Ufa! Todas estas atividades foram realizadas por uma mulher, na primeira metade do século XX. Acrescenta-se a esta lista o ofício de esposa e mãe. É, no mínimo, admirável e invejável tudo o que Cecília Meireles fez numa época em que a maioria das mulheres era criada para ser somente esposa e mãe.
Deixando o olhar biográfico e feminista de lado, Cecília Meireles é o primeiro nome feminino de grande importância para a poesia brasileira. Artista inserida no período modernista brasileiro, sua produção é um marco para a literatura brasileira, posto que foi uma das primeiras mulheres a se destacar pela produção lírica.
Seu trabalho no magistério foi de extrema importância para a sociedade. Fundou a primeira biblioteca infantil do país, lecionou literatura e cultura brasileira em universidades no exterior e fez conferências sobre a l…