Pular para o conteúdo principal

A mártir e a escritora



Há sessenta anos atrás, era lançado na França um livro chamado O segundo sexo. Na obra em questão era feita uma análise das condições da mulher propondo novas ideias para uma igualdade de direitos entre os sexos feminino e masculino. O nome da autora: Simone de Beauvoir, escritora-filósofa existencialista que ajudou, e muito, a repensar o papel da mulher na sociedade contemporânea, incitando movimentos feministas que trouxeram grandes ganhos ao revolucionarem o comportamento feminino atual.
Não poderia, o Mulheres que escrevem, deixar de homenagear o aniversário de uma importantíssima obra que discutiu e colaborou para que o mundo pensasse mais nas questões femininas. Lembrando que, é claro, ainda há muito a conquistar nesse campo. O exemplo mais atual é a morte de uma jovem chamada Neda Agha Soltan, que nas ruas do Teerã protestava contra a falta de liberdade imposta pelo governo( leia-se “pela religião”) às mulheres em seu país.
É importante frisar que o preconceito, o autoritarismo e a repressão contra a mulher ainda existem, em maior ou em menor grau. Dentro de alguns lares, em algumas culturas e em alguns países esses retrocessos chegam a níveis altíssimos de intolerância, o que faz do livro de Simone de Beauvoir continuar sendo, infelizmente, atualíssimo.

Comentários

Beta disse…
Que bom entrar aqui e encontrar um post novinho em folha.

Gostei muito...
Me interessei pela leitura... ;-)

Beijão querida.
Habib Sarquis disse…
Parabéns pelo blog. Infelizmente vivemos em uma sociedade que ainda é burra. A mulher tem os mesmos direitos que o homem em todos os sentidos.

Blog: Cultura Dinâmica - www.culturadinamica.wordpress.com
Leosoul disse…
Adorei a lembrança da autora, assim como a proposta que a acompanha....
beijos querida e sempre atenada amiga...
Adilene Adratt disse…
Oi Raela, que bom que gostou do texto que escrevi no meu blog e da sugestão sobre a Lya. De uma forma geral acho que a diferença entre os textos dos homens é que eles escrevem sobre os outros e as mulheres escrevem sobre si mesmas. Mesmo que isso não apareça diretamente. Acho que enquanto os homens "adoram" dar respostas, as mulheres tem a humildade de saber que primeiramente precisam é fazer as perguntas, rsrs.
Bjs!

Postagens mais visitadas deste blog

Mosé, a musa da vida

Filósofa, psicóloga e psicanalista por formação; escritora, professora, poeta ( ou poetisa) por extensão da brilhante carreira de pesquisadora da vida. Essa é Viviane Mosé, uma capixaba mil e uma utilidades quando o assunto é a existência.
Pensar o ser humano rendeu-lhe muito sucesso, uma vez que Viviane popularizou as questões filosóficas seja apresentando um quadro no Fantástico (Ser ou não Ser), ou dando aulas para atores, ou ainda, fazendo palestras em empresas e em instituições, além de ter escrito vários livros sobre esta ampla temática que é a Filosofia.
Sua biografia abarca, também, poesia. Mosé fez parte da turma do Chacal, no CEP 20.000, um sarau de sucesso que acontece no Rio de Janeiro, no Espaço Cultural Sérgio Porto. Antes e depois desta experiência, nasceram Toda Palavra (2008), Pensamento chão (2007), Desato, (2006), Receita para Lavar Palavra Suja (2004), Escritos (1990), Imagem Escrita (1999), 7 + 1, Francisco Alves (1997).
Já na filosofia e na psicanálise, seus e…

A arte de reescrever

Uma escritora livre. Assim se define Lya Luft, uma das mais influentes romancistas brasileiras,autora de vários best-sellers nacionais.
Formada em Letras, a gaúcha começou sua vida profissional como tradutora, ofício que ela diz amar realizar. Prestando um grande serviço à cultura literária brasileira, suas traduções, de ótima qualidade, contabilizam mais de cem obras atualmente.
Porém, foi como escritora que essa artesã da palavra ganhou maior notoriedade. Seus livros estão entre os mais vendidos do Brasil. E muitos foram traduzidos para mais de 15 países.
Começou sua carreira literária escrevendo poesias, depois foi para os contos, até que, após um processo de autodescoberta, resultante de um acidente quase fatal,resolveu enveredar pelos caminhos da ficção romanesca. Sua bibliografia é extensa: Canções de limiar, 1964;Flauta doce, 1972;Matéria do cotidiano, 1978;As parceiras, 1980;A asa esquerda do anjo, 1981;Reunião de família, 1982;O quarto fechado, 1984;Mulher no palco, …

Honorável Poetisa

Professora, diretora escolar, redatora, produtora cultural, jornalista-liberal, conferencista, tradutora e, enfim, poetisa (ou poeta, como preferir). Ufa! Todas estas atividades foram realizadas por uma mulher, na primeira metade do século XX. Acrescenta-se a esta lista o ofício de esposa e mãe. É, no mínimo, admirável e invejável tudo o que Cecília Meireles fez numa época em que a maioria das mulheres era criada para ser somente esposa e mãe.
Deixando o olhar biográfico e feminista de lado, Cecília Meireles é o primeiro nome feminino de grande importância para a poesia brasileira. Artista inserida no período modernista brasileiro, sua produção é um marco para a literatura brasileira, posto que foi uma das primeiras mulheres a se destacar pela produção lírica.
Seu trabalho no magistério foi de extrema importância para a sociedade. Fundou a primeira biblioteca infantil do país, lecionou literatura e cultura brasileira em universidades no exterior e fez conferências sobre a l…