Pular para o conteúdo principal

De volta à infância!


Socióloga por formação e escritora por vocação, Ruth Rocha começou no mundo das letras em 1967, quando foi convidada a escrever artigos sobre educação na revista Cláudia. Orientadora educacional do colégio Rio Branco, em São Paulo, ela entendia bem do assunto “educação” e tinha propriedade para falar dele.
A experiência foi o pontapé inicial para que a jovem orientadora educacional Ruth percebesse que levava jeito para a coisa e não deu outra, tomou gosto pela escrita! Os 15 anos trabalhando na coordenação de uma escola somados ao trabalho de articulista na tal revista fizeram-na transformar-se numa das maiores, senão a maior, escritora infantojuvenil do Brasil. Quem nunca leu ou ouviu falar de Marcelo, Marmelo, Martelo? ! E de Bom dia, Todas as Cores? Esses títulos fizeram parte da coleção de livros de crianças de várias gerações.
Em 1967, quando participou da criação da revista Recreio, da Editora Abril, teve a oportunidade de publicar suas primeiras histórias de ficção, dentre as quais estão: Romeu e Julieta, Meu Amigo Ventinho, Catapimba e Sua Turma, Teresinha e Gabriela e O Dono da Bola. O primeiro livro, Palavra ,Muitas Palavras veio em 1976.
A convivência de quinze anos com crianças e os seus questionamentos fizeram-na uma boa entendedora do universo infantil e, também, juvenil. Não por acaso sua literatura fez imenso sucesso entre os pequenos, não só do Brasil, mas de várias partes do mundo. Muitos de seus livros foram traduzidos em várias línguas.
Monteiro Lobato, outro grande mestre da literatura infantojuvenil brasileira, foi seu “muso” inspirador. As preocupações políticas e sociais do escritor de Taubaté também viraram preocupações de Ruth Rocha. Ela diz: “sou socióloga e tenho uma preocupação muito grande com preconceito, justiça e com a verdade.”
Tanta engenhosidade levou Ruth Rocha a ganhar vários prêmios importantes, dentre os quais estão “cinco Jabutis” - a premiação mais importante da literatura brasileira - , um da Câmara Brasileira do Livro, outro da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, além de uma condecoração, em 1998 , pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, com a Comenda da Ordem do Mérito Cultural do Ministério da Cultura.
Desperte a criança que está em você delicie-se no universo encantador de Ruth Rocha!!!

Comentários

Tânia Ribeiro disse…
Uma iniciativa excelente e um texto bem escolhido sobre RUTH ROCHA.

Postagens mais visitadas deste blog

Mosé, a musa da vida

Filósofa, psicóloga e psicanalista por formação; escritora, professora, poeta ( ou poetisa) por extensão da brilhante carreira de pesquisadora da vida. Essa é Viviane Mosé, uma capixaba mil e uma utilidades quando o assunto é a existência.
Pensar o ser humano rendeu-lhe muito sucesso, uma vez que Viviane popularizou as questões filosóficas seja apresentando um quadro no Fantástico (Ser ou não Ser), ou dando aulas para atores, ou ainda, fazendo palestras em empresas e em instituições, além de ter escrito vários livros sobre esta ampla temática que é a Filosofia.
Sua biografia abarca, também, poesia. Mosé fez parte da turma do Chacal, no CEP 20.000, um sarau de sucesso que acontece no Rio de Janeiro, no Espaço Cultural Sérgio Porto. Antes e depois desta experiência, nasceram Toda Palavra (2008), Pensamento chão (2007), Desato, (2006), Receita para Lavar Palavra Suja (2004), Escritos (1990), Imagem Escrita (1999), 7 + 1, Francisco Alves (1997).
Já na filosofia e na psicanálise, seus e…

A arte de reescrever

Uma escritora livre. Assim se define Lya Luft, uma das mais influentes romancistas brasileiras,autora de vários best-sellers nacionais.
Formada em Letras, a gaúcha começou sua vida profissional como tradutora, ofício que ela diz amar realizar. Prestando um grande serviço à cultura literária brasileira, suas traduções, de ótima qualidade, contabilizam mais de cem obras atualmente.
Porém, foi como escritora que essa artesã da palavra ganhou maior notoriedade. Seus livros estão entre os mais vendidos do Brasil. E muitos foram traduzidos para mais de 15 países.
Começou sua carreira literária escrevendo poesias, depois foi para os contos, até que, após um processo de autodescoberta, resultante de um acidente quase fatal,resolveu enveredar pelos caminhos da ficção romanesca. Sua bibliografia é extensa: Canções de limiar, 1964;Flauta doce, 1972;Matéria do cotidiano, 1978;As parceiras, 1980;A asa esquerda do anjo, 1981;Reunião de família, 1982;O quarto fechado, 1984;Mulher no palco, …

Honorável Poetisa

Professora, diretora escolar, redatora, produtora cultural, jornalista-liberal, conferencista, tradutora e, enfim, poetisa (ou poeta, como preferir). Ufa! Todas estas atividades foram realizadas por uma mulher, na primeira metade do século XX. Acrescenta-se a esta lista o ofício de esposa e mãe. É, no mínimo, admirável e invejável tudo o que Cecília Meireles fez numa época em que a maioria das mulheres era criada para ser somente esposa e mãe.
Deixando o olhar biográfico e feminista de lado, Cecília Meireles é o primeiro nome feminino de grande importância para a poesia brasileira. Artista inserida no período modernista brasileiro, sua produção é um marco para a literatura brasileira, posto que foi uma das primeiras mulheres a se destacar pela produção lírica.
Seu trabalho no magistério foi de extrema importância para a sociedade. Fundou a primeira biblioteca infantil do país, lecionou literatura e cultura brasileira em universidades no exterior e fez conferências sobre a l…