Pular para o conteúdo principal

Muito além das aparências...






Uma ex-stripper e ex-atendente de telessexo de apenas 29 anos, com um vestido decotado de oncinha que deixa à mostra suas curvas e tatuagens, sobe ao palco de um suntuoso teatro para receber o prêmio máximo do cinema mundial pelo roteiro original de seu primeiro filme.
Que parte mais te surpreendeu?
Confesso que senti grande admiração por Diablo Cody (esse é seu nome artístico) nem tanto pelo seu estilo, mas por sua ousadia. Para mim, ela rompeu barreiras e desfez estereótipos. Eu a considero uma vanguardista da nova figura feminina. Figura esta que se assume sem medo e sem culpa. Há um certo tempo atrás, ser ex-stripper era motivo de humilhação e vergonha para qualquer mulher. Mas, atualmente, mais precisamente depois de Diablo Cody ter ganhado o Oscar, ser ex-stripper pode ser entendido de maneira diferente.O fato foi bastante evidenciado, o que ajudou a chamar atenção para a sua figura e para o seu trabalho. Apesar da aparência exótica, do jeito debochado e do passado agitadinho, Diablo Cody é na verdade uma nerd.
Brook Busey (esse é seu nome original) se formou em Comunicação Social e já escrevia há tempos em blogs. Trabalhou primeiro como secretária e depois como publicitária. E foi na agência de publicidade que descobriu que aquele trabalho não era para ela. Então decidiu virar stripper e fazer umas horinhas como atendente de telessexo. De dia trabalhava como uma boa moça e à noite...soltava a fera. “Não foi por necessidade, mas por vontade própria”, diz ela. Brook não gostava da rotina do escritório, precisava de um pouquinho mais de emoção.
Quando se cansou dessa vida noturna, decidiu escrever um livro: Candy Girl: a year in the life of na unlikely stripper (Garota doce: um ano na vida de uma stripper improvável). E foi então que viu sua vida deslanchar. O livro fez sucesso, vendeu bastante e Diablo vislumbrou um grande futuro como escritora. Foi convidada a escrever um roteiro e, já em sua estréia no mundo do cinema, ganhou o Oscar. Parece que a galinha dos ovos de ouro foi mesmo o pedaço de sua vida que ela não fez questão de esconder.
Agora foi contratada pela Dreamworks para trabalhar ao lado de Steven Spielberg na produção de uma nova série chamada “The united States of Tara” e já tem mais três roteiros preparadíssimos para serem filmados no ano que vem.
Virei fã!

Comentários

ED CAVALCANTE disse…
NO BRASIL, AS ATRIZES QUE FIZERAM AS CHAMADAS "PORNOCHANCHADAS" FICARAM ESTIGMATIZADAS, FORAM PRATICAMENTE BANIDAS DA TV. JÁ OS ATORES, COMO NUNU LEAL MAIA, POR EXEMPLO, TIVERAM O PERDÃO DA MÍDIA.MACHISMO PURO!
Letícia Castro disse…
Realmente, ela abriu um precedente sim.
Te espero lá no Babel, tá bom?
Beijão!
Letícia.

http://babelpontocom.blogspot.com/
Etiene disse…
Também virei fã dela, amei Juno. simplesmente perfeito, doce e sincero na medida do possivel. E gostaria muito de ler a biografia dela.
Estou adorando seu blog de verdade.
bjss

www.aprendizdecinema.blogger.com.br
HBMS disse…
Poxa!
Nesse mundinho machista acabei de ler e continuo achando o máximo o que aconteceu com ela \o/
Até pq é difícil a pessoa fazer sucesso com livros quando não se tm referencia ou reconhecimento.
Muito legal !

Postagens mais visitadas deste blog

Mosé, a musa da vida

Filósofa, psicóloga e psicanalista por formação; escritora, professora, poeta ( ou poetisa) por extensão da brilhante carreira de pesquisadora da vida. Essa é Viviane Mosé, uma capixaba mil e uma utilidades quando o assunto é a existência.
Pensar o ser humano rendeu-lhe muito sucesso, uma vez que Viviane popularizou as questões filosóficas seja apresentando um quadro no Fantástico (Ser ou não Ser), ou dando aulas para atores, ou ainda, fazendo palestras em empresas e em instituições, além de ter escrito vários livros sobre esta ampla temática que é a Filosofia.
Sua biografia abarca, também, poesia. Mosé fez parte da turma do Chacal, no CEP 20.000, um sarau de sucesso que acontece no Rio de Janeiro, no Espaço Cultural Sérgio Porto. Antes e depois desta experiência, nasceram Toda Palavra (2008), Pensamento chão (2007), Desato, (2006), Receita para Lavar Palavra Suja (2004), Escritos (1990), Imagem Escrita (1999), 7 + 1, Francisco Alves (1997).
Já na filosofia e na psicanálise, seus e…

A arte de reescrever

Uma escritora livre. Assim se define Lya Luft, uma das mais influentes romancistas brasileiras,autora de vários best-sellers nacionais.
Formada em Letras, a gaúcha começou sua vida profissional como tradutora, ofício que ela diz amar realizar. Prestando um grande serviço à cultura literária brasileira, suas traduções, de ótima qualidade, contabilizam mais de cem obras atualmente.
Porém, foi como escritora que essa artesã da palavra ganhou maior notoriedade. Seus livros estão entre os mais vendidos do Brasil. E muitos foram traduzidos para mais de 15 países.
Começou sua carreira literária escrevendo poesias, depois foi para os contos, até que, após um processo de autodescoberta, resultante de um acidente quase fatal,resolveu enveredar pelos caminhos da ficção romanesca. Sua bibliografia é extensa: Canções de limiar, 1964;Flauta doce, 1972;Matéria do cotidiano, 1978;As parceiras, 1980;A asa esquerda do anjo, 1981;Reunião de família, 1982;O quarto fechado, 1984;Mulher no palco, …

Honorável Poetisa

Professora, diretora escolar, redatora, produtora cultural, jornalista-liberal, conferencista, tradutora e, enfim, poetisa (ou poeta, como preferir). Ufa! Todas estas atividades foram realizadas por uma mulher, na primeira metade do século XX. Acrescenta-se a esta lista o ofício de esposa e mãe. É, no mínimo, admirável e invejável tudo o que Cecília Meireles fez numa época em que a maioria das mulheres era criada para ser somente esposa e mãe.
Deixando o olhar biográfico e feminista de lado, Cecília Meireles é o primeiro nome feminino de grande importância para a poesia brasileira. Artista inserida no período modernista brasileiro, sua produção é um marco para a literatura brasileira, posto que foi uma das primeiras mulheres a se destacar pela produção lírica.
Seu trabalho no magistério foi de extrema importância para a sociedade. Fundou a primeira biblioteca infantil do país, lecionou literatura e cultura brasileira em universidades no exterior e fez conferências sobre a l…