Pular para o conteúdo principal

Mosé, a musa da vida






Filósofa, psicóloga e psicanalista por formação; escritora, professora, poeta ( ou poetisa) por extensão da brilhante carreira de pesquisadora da vida. Essa é Viviane Mosé, uma capixaba mil e uma utilidades quando o assunto é a existência.
Pensar o ser humano rendeu-lhe muito sucesso, uma vez que Viviane popularizou as questões filosóficas seja apresentando um quadro no Fantástico (Ser ou não Ser), ou dando aulas para atores, ou ainda, fazendo palestras em empresas e em instituições, além de ter escrito vários livros sobre esta ampla temática que é a Filosofia.
Sua biografia abarca, também, poesia. Mosé fez parte da turma do Chacal, no CEP 20.000, um sarau de sucesso que acontece no Rio de Janeiro, no Espaço Cultural Sérgio Porto. Antes e depois desta experiência, nasceram Toda Palavra (2008), Pensamento chão (2007), Desato, (2006), Receita para Lavar Palavra Suja (2004), Escritos (1990), Imagem Escrita (1999), 7 + 1, Francisco Alves (1997).
Já na filosofia e na psicanálise, seus escritos foram intitulados de : A Escola e Os Desafios Contemporâneos (2013), O Homem que Sabe (2011), Nietzsche e a Grande Política da Linguagem (2005), Beleza, Feiúra e Psicanálise (2004), Stela do Patrocínio - Reino dos Bichos e dos Animais é o Meu Nome (2002), Assim Falou Nietzsche (1999).
A educação e a mulher são outros subtemas tratados pela escritora, filósofa, psicóloga, psicanalista e poeta (ou poetisa).
Hoje ela dirige a Usina Pensamento, “um núcleo de profissionais especializados dedicados à produção e difusão de conteúdos intelectuais, culturais e artísticos.” e é comentarista da Rádio CBN no programa Liberdade de Expressão.

Aprofunde-se, conheça-se, leia os livros de Viviane Mosé!

Comentários

Adilene Adratt disse…
Feliz Ano Novo Raela! Abração!
Palmira Heine disse…
Bom dia. Gostaria de entrar em contato com a autora do blog. Há algum email para isso?
Raela Migliesi disse…
Contatos: raelamigliesi@gmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

Honorável Poetisa

Professora, diretora escolar, redatora, produtora cultural, jornalista-liberal, conferencista, tradutora e, enfim, poetisa (ou poeta, como preferir). Ufa! Todas estas atividades foram realizadas por uma mulher, na primeira metade do século XX. Acrescenta-se a esta lista o ofício de esposa e mãe. É, no mínimo, admirável e invejável tudo o que Cecília Meireles fez numa época em que a maioria das mulheres era criada para ser somente esposa e mãe.
Deixando o olhar biográfico e feminista de lado, Cecília Meireles é o primeiro nome feminino de grande importância para a poesia brasileira. Artista inserida no período modernista brasileiro, sua produção é um marco para a literatura brasileira, posto que foi uma das primeiras mulheres a se destacar pela produção lírica.
Seu trabalho no magistério foi de extrema importância para a sociedade. Fundou a primeira biblioteca infantil do país, lecionou literatura e cultura brasileira em universidades no exterior e fez conferências sobre a l…

Tipo assim...

O mundinho das adolescentes nunca mais foi o mesmo desde que Thalita Rebouças foi descoberta pelo mercado editorial.
Com suas séries de livros sobre o universo cor-de-rosa das meninas entre 11 e 18 anos, a escritora se tornou um ícone literário para esse grupo, revelando-se uma expert na abordagem literária dos assuntos preferidos dessa fase cheia de dilemas.
Muitas adolescentes estão descobrindo o mundo da leitura através de: Fala sério, mãe; Fala sério, professor; Fala sério, amor; Fala sério, amiga; Tudo por um pop-star; Tudo por um namorado;Tudo por um feriado; Traição entre amigas e Uma fada veio me visitar.
Além de exercer o ofício de escritora, a também jornalista mantém uma coluna na revista Atrevida, chamada Fala, sério!(sua expressão chave) e atualiza um blog e um site, onde mantém as fãs leitoras informadas sobre o seu trabalho. Estão na promessa mais dois livros: Fala sério, pai e um outro, ainda sem título, que terá um menino como protagonista. Seria bastante inte…