Pular para o conteúdo principal

Como se faz para chegar em Marte?



E você, senhorita? Já passou de uma certa idade e ainda não arranjou namorado ou não se casou? Não consegue parar com ninguém e todos os seus relacionamentos dão errado antes mesmo de começarem? Sua vida amorosa está empacada e mal-resolvida? Então, amiga, bem-vinda ao clube das encalhadas!
Foi a partir das situações próprias deste perfil feminino que Mônica Martelli escreveu sua peça: Os homens são de Marte.... E é pra lá que eu vou. Situações essas, que a própria conheceu muito bem.
Mônica Martelli já foi maquiadora, modelo e fez várias participações em programas e novelas da Rede Globo. Porém, nunca havia feito nada de significativo na sua profissão de atriz, apesar de já ter se formado na CAL(Casa da Artes de Laranjeiras). Estava numa pindaíba quando resolveu fazer uma vaquinha na família e arriscar a montagem de uma peça teatral. Decidiu escrever um texto a partir de suas frustradas experiências amorosas. Peça montada, texto pronto e a própria Mônica como intérprete. Não deu outra: a peça está sendo um sucesso.
Retratando as peripécias de Fernanda, uma jornalista solteira de 35 anos em busca do homem ideal, a peça parte para o lado humorístico dos encontros e desencontros típicos da mulher desesperada para casar. Seu sucesso se deve principalmente à identificação direta do público feminino, posto que retrata o perfil da mulher do século XXI: independente e bem-sucedida finaceiramente, mas... infeliz no amor.
Agora, Os homens são de Marte... E é pra lá que eu vou - que está na promessa de se transformar em filme e livro - virou referência para mulheres que, assim como sua autora, passam ou passaram por dificuldades de se encontrar no amor. "Não era pra ser" virou bordão da mulherada que se reconhece na peça.
E você, também se reconheceu? Fique tranqüila, pois acontece nas melhores famílias. Mas, a propósito, como se faz para chegar em Marte?

Comentários

Gi KrDoSo disse…
Bem legal teu blog...respondi teu tópico,achei a idéia legal e queria que os outros da comu também achassem e postassem.Sorte!!;)
Alcione Torres disse…
Parece ser bem interessante...
Ana Paula disse…
Legal!

Encalhadas ou não, que mulher nunca usou esse bordão "não era pra ser"?, mesmo que só em pensamento.

Mulheres ou adolescentes, né? Bem... mesmo sem saber muito da obra, já estou recomendando, porque meu instinto diz que vale a pena.

E parabéns à autora, gostei da iniciativa de criar este blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Mosé, a musa da vida

Filósofa, psicóloga e psicanalista por formação; escritora, professora, poeta ( ou poetisa) por extensão da brilhante carreira de pesquisadora da vida. Essa é Viviane Mosé, uma capixaba mil e uma utilidades quando o assunto é a existência.
Pensar o ser humano rendeu-lhe muito sucesso, uma vez que Viviane popularizou as questões filosóficas seja apresentando um quadro no Fantástico (Ser ou não Ser), ou dando aulas para atores, ou ainda, fazendo palestras em empresas e em instituições, além de ter escrito vários livros sobre esta ampla temática que é a Filosofia.
Sua biografia abarca, também, poesia. Mosé fez parte da turma do Chacal, no CEP 20.000, um sarau de sucesso que acontece no Rio de Janeiro, no Espaço Cultural Sérgio Porto. Antes e depois desta experiência, nasceram Toda Palavra (2008), Pensamento chão (2007), Desato, (2006), Receita para Lavar Palavra Suja (2004), Escritos (1990), Imagem Escrita (1999), 7 + 1, Francisco Alves (1997).
Já na filosofia e na psicanálise, seus e…

A arte de reescrever

Uma escritora livre. Assim se define Lya Luft, uma das mais influentes romancistas brasileiras,autora de vários best-sellers nacionais.
Formada em Letras, a gaúcha começou sua vida profissional como tradutora, ofício que ela diz amar realizar. Prestando um grande serviço à cultura literária brasileira, suas traduções, de ótima qualidade, contabilizam mais de cem obras atualmente.
Porém, foi como escritora que essa artesã da palavra ganhou maior notoriedade. Seus livros estão entre os mais vendidos do Brasil. E muitos foram traduzidos para mais de 15 países.
Começou sua carreira literária escrevendo poesias, depois foi para os contos, até que, após um processo de autodescoberta, resultante de um acidente quase fatal,resolveu enveredar pelos caminhos da ficção romanesca. Sua bibliografia é extensa: Canções de limiar, 1964;Flauta doce, 1972;Matéria do cotidiano, 1978;As parceiras, 1980;A asa esquerda do anjo, 1981;Reunião de família, 1982;O quarto fechado, 1984;Mulher no palco, …

Honorável Poetisa

Professora, diretora escolar, redatora, produtora cultural, jornalista-liberal, conferencista, tradutora e, enfim, poetisa (ou poeta, como preferir). Ufa! Todas estas atividades foram realizadas por uma mulher, na primeira metade do século XX. Acrescenta-se a esta lista o ofício de esposa e mãe. É, no mínimo, admirável e invejável tudo o que Cecília Meireles fez numa época em que a maioria das mulheres era criada para ser somente esposa e mãe.
Deixando o olhar biográfico e feminista de lado, Cecília Meireles é o primeiro nome feminino de grande importância para a poesia brasileira. Artista inserida no período modernista brasileiro, sua produção é um marco para a literatura brasileira, posto que foi uma das primeiras mulheres a se destacar pela produção lírica.
Seu trabalho no magistério foi de extrema importância para a sociedade. Fundou a primeira biblioteca infantil do país, lecionou literatura e cultura brasileira em universidades no exterior e fez conferências sobre a l…